Férias da empregada

As férias escolares acabaram e, consequentemente, a rotina da maioria de nós. Conheço gente que está dando graças a deus que as aulas começam segunda!

Ao reencontrar minhas amigas, em Brasília, uma delas me contou a história da volta da empregada ao trabalho. Era segunda-feira, dia  19, e ela tinha chegado na capital federal dia 15. Neste mesmo dia 15, estava marcado para sua empregada também voltar de férias. Flavinha, minha amiga, chegou em casa e nada da empregada. Era uma quinta-feira. O dia acabou, a sexta-feira começou e ainda nada. No final da tarde, minha amiga decidiu ligar. Depois de muita insistência, sua empregada atendeu, já rindo… gente, fala sério, será que não merecemos nem mesmo um fingimento!

Bom, durante o diálogo, permeado por muitas risadas do outro lado, minha amiga ficou sabendo que a moça tinha acabado de chegar de viagem. Férias prolongadas… Flávia perguntou porque ela não ligou para avisar, e ela disse que o celular estava sem crédito. Minha amiga perguntou: “e quando foi que você gastou dinheiro com crédito para me ligar?”. Depois de uma risada e a resposta “é mesmo, eu só ligo à cobrar”, Flavinha desligou o telefone, sem muitos comentários. No dia seguinte, sábado, também dia dela trabalhar, ninguém apareceu…

Falei pra ela que numa hora destas, só tem duas alternativas, ou desconta os dias ou manda embora. Quando chega neste nível, em que a empregada está rindo de você estar em casa fazendo o serviço dela, não tem mais relação possível.

10 Comentários

Arquivado em Uncategorized

10 Respostas para “Férias da empregada

  1. concordo com vc querido , eta emprega mais folgada
    bj

  2. Flavia P Carvalho

    Boa noite,
    eu sou aquela que a empregada riu na cara, quero dizer ao telefone…
    Estou, eu agora tentando parar de rir, acho que de mim mesmo e não da história pois parece mentira mas ela (a empregada risonha) realmente tinha muitas coisas para arrumar na casa dela depois de uma viagem de férias que não podia ir trabalhar. O trabalho, aquele que bancou as férias prolongadas. Mas tudo bem, minha vingança vem a cavalo ou será a tartaruga !!!
    Bjs
    Flavia

  3. casinhadeboneca

    Nossa, que folgada. Realmente a realação fica complicada depois de uma falta de respeito e demonstração de que não está nem aí pro trabalho. Acho que se isso acontecesse comigo, mandaria embora… Bjo e saudades de vc, amiga!

  4. Olá!
    Colocamos seu blog em nosso diretório “Mamys Blogs”

    Visite-o😉

    http://mammysblogs.blogspot.com/

  5. casinhadeboneca

    Deinha, deixei um selo pra vc lá no blog da Chris. Bjo

  6. As relações são tensas e complicadas.
    Se somos mto simpáticas passamos por tolas.
    Se somos ‘profissionais” somos blasês;
    daí encontrar o ponto certo é duro.

    Eu hoje sou ‘profissional’.

  7. Leila

    mas que moça folgada essa! gozado que quando a gente chega de férias, no dia seguinte está lá oito em ponto trabalhando, não é verdade???

    eu tb sou “profissional”, embora passe por antipática, chata e ruim. oxente…

  8. Leila

    Parabéns pela casa sem empregada, eu gostaria de ter uma família colaborativa e alcançar a mesma graça (estou trabalhando nisso, um dia chego lá). De verdade, acho que o ideal é todo mundo ajudar em tudo em vez de ter gente estranha dentro de casa trabalhando.

    Aproveitando o momento, gostaria de saber de todos quanto tempo levam para se acostumar com uma nova funcionária em casa… a minha primeira foi minha faxineira por 3 anos, depois mensalista por um ano e meio. Por isso a adaptação foi loooonga e devagar e sem traumas, mas agora estou com uma funcionária nova há um mês e me sinto esquisitíssima. o que vocês acham?

  9. semempregada

    Oi Leila! Seja bem-vinda!
    (será que bem-vinda ainda tem hífén?…)

    Mudar de empregada não é nada fácil, eu vou começar este processo com a faxineira e também não gosto da idéia. O mais importante é ter certeza das indicações que recebeu com relação a ela. Tem uma amiga minha que, se não for com a cara da pessoa, se não sentir uma vibração boa, não contrata. Tente definir o que é este seu “esquisito”: não gosta da vibração, não gosta da presença, não gosta do serviço… eu vou fazer este processo agora com muita calma. Como já fiquei longos períodos sem faxineira, sei que não vou morrer por causa disto.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s