“Feira mostra eletrodomésticos que ajudam donas de casa” no Jornal Nacional

Existe uma luz no fim do túnel para nós brasileiras! Achei essa matéria na internet e enlouqueci. Fiquei muito feliz em saber que estão chegando ao país tecnologias que americanas e européias já têm há muito tempo. E aquele rodinho que limpa janelas?! Veja a que ponto chegamos, ficamos felizes com um rodo! Hahaha! Mas, vamos combinar, nunca vi faxineira que deixasse uma vidraça impecável como a que aparece nesta matéria. Tenho uma parede de espelho em casa e há muito tempo meu reflexo anda meio turvo nela…

(http://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2012/07/feira-mostra-eletrodomesticos-que-ajudam-donas-de-casa.html)

6 Comentários

Arquivado em Uncategorized

6 Respostas para ““Feira mostra eletrodomésticos que ajudam donas de casa” no Jornal Nacional

  1. Paola

    Se tivesse uma máquina de passar roupa bem bacana eu ia ficar tão feliz….

  2. Daiane SP

    Eu sei, vão rir de mim.
    Pensei que teria boas novas…mas retornando apenas para lamentar que mais uma vez não deu certo.
    Motivo? Cida me apelidou de “branquela azeda” soltou essa do nada*** fiquei sem entender. Ate ardeu minha orelha quando ouvi. Mas pensei que fosse um momento descuido, 5 segundos, sintoma de coagulo cerebral (kkkk) menos que ela repetiria novamente.
    A situação que aconteceu foi quando eu a diz procurar a travessa para servir na mesa.
    Ela não encontrava e soltou essa “aí branquela azeda”.
    Que ódio!
    Não vou sequer falar as outras situações porque vou ter um colapso nervoso e vou estribuchar no chão por convulsão!
    Desgraçada!!! Isso mesmo! Dane-s* preciso escrever isso pq ela é uma fdp invejosa.
    Só pode! Me chamar de “branquela azeda” como se eu fosse mal amada, mal humorada, rejeitada, exclusa de qualquer vinculo social etc….
    Tanta coisa imagino para ela ter me chamado disso!
    Mas logo tratei de fazer as continhas dela, ligar o celular no modo gavador e no dia seguinte retomar aquela situação a qual ela me desrrespeitou sem motivo algum, já que nunca apelidei a mesma, sempre a tratei muito bem por sinal…
    Lembram???? Cerveja na cozinha!!!!!
    Gravei tudo! Absolutamente…
    Ela não desconfiou. Questionei o motivo e por qual razão me chamar daquela forma. Não uma única vez!
    A cara lambida para não escrever outra coisa, não soube justificar. Disse ter sido por brincadeira.
    Logo minha face queimou de ódio e tive ímpeto de arrancar-lhe o glóbulo ocular. Alias os dois com as unhas!
    Tamanha minha revolta perante a cara de paisagem que a mesma fez.
    Para saborear uma certa vingança no final de toda conversa eu disse para ela que estava gravando com o celular e que iria processar a mesma por racismo, preconceito e tudo que tenho direito!
    Haaaaaa, ela logo tratou de chorar…queria conversar, justificar mas eu apontei o dedo para o corredor e pedi para que ela se retirasse da minha casa.
    Ela foi… Toda desengonçada, desnorteada….era visível!
    Fiquei satisfeita com o susto que ela tomou.

    E agora?
    Vou tentar com todas minha forças* (oi)? nunca mais ter que lidar com essa “categoria de profissionais” tão requisitada, procurada, almejada! (risos) e sem qualifição alguma.

  3. Paola

    Daiane,
    Uma dica que ajuda muito é tentar manter uma relação o mais profissional possível, para que elas não se sintam com esse tipo de “liberdade”.
    Sério, pq se vc é mto legal, infelizmente grande parte delas não “compreende”.
    Com a minha eu falo sempre bom dia, peço tudo com educação (por favor, obrigada, etc.) e converse apenas o básico (se ela está bem, etc.).
    Porque elas podem se sentir íntimas e muito à vontade, e terminar nesse tipo de situação desagradável.
    É importante manter uma certa distância para que seja lembrado que você é que manda na sua casa e vcs não são amigas, mas estão ali por causa de uma relação de trabalho.
    Bjos!

    • Daiane SP

      É verdade Paola. De certa forma a culpada sou eu por ter dado a ela tal liberdade.
      Mas já tentei de tudo, sabe! Assim como você disse para ser reservada, comunicar-se o mínimo e básico possível mantendo distancia de qualquer vinculo pessoal. Sim eu fiz e agi desta forma e a dita cuja fazia cara feia quando entrava ate hora de sair.
      Penso que enquanto eu não souber lidar com essas profissionais do lar, melhor vai ser cuidar da minha casa sozinha aos poucos…
      Algumas famílias colocam seus orçamentos na ponta do lápis juntamente com as contas a pagar e separando as prioridades da familia.. Evitar maiores gastos é a meta. Não é o meu caso mto menos a minha preocupação…. Pensando assim até poderia imaginar eu feliz com uma empregada domestica. Engano! Eis o problema: meu modo de tratar*, minha falta de punho…. essa mania de querer tratar como igual. No começo eu ate fico distante apenas orientando…
      Depois lá vou eu com essa mania desenfreada estragando tudo.

      Vou sobreviver.

  4. Darlene

    Esta matéria do Jornal O globo não tem nada a ver com a realidade. Não se pode comparar babá e empregada doméstica que são coisas bem distintas . Faltou também elencar alguns gastos tais como o que elas comem, bebem, gastam com higiene pessoal, sem contar o que quebram e desperdiçam ou jogam fora sem querer.

  5. Ane

    Nossa, me identifico total com esse blog! É corajoso abordar esse tema, já que na nossa sociedade não se pode falar mal de “minorias”, é um excesso de proteção e politicamente correto, como se as pessoas fossem perfeitas só por fazerem parte de uma minoria ou categoria menos favorecida. O Brasil tem um sério problema de qualificação, em virtude da péssima educação que temos no nosso país. Não é só com trabalhadores domésticos, já ouvi muitos empresários reclamando da dificuldade de encontrar trabalhador qualificado, por mais simples que seja o trabalho. Uma pessoa da minha família tem um estabelecimento comercial e sofre muito para conseguir um empregado para uma coisa simples como trabalhar no balcão. A maioria não quer trabalhar e torce para conseguir um benefício do INSS e ir pra casa.
    Bom, eu recentemente fiquei sem empregada…tinha uma diarista, ela trabalha há tempos na casa do meu sogro e há uns 6 meses começou a trabalhar na minha casa. E na última semana ela falou mal de mim e do meu marido pro meu sogro. Descobri que ela estava passando água sanitária no porcelanato e pedi que ela não fizesse mais isso, pois estraga o piso. Ela ficou contrariada e foi reclamar pro meu sogro, falou que eu não sei nada de limpeza, que minha casa ia ficar um lixo, entre outras críticas sobre nossa vida particular. Achei um absurdo e uma burrice. Ela foi falar logo para o meu sogro? Ela acha que ele iria achar legal? Ou que seria amigo dela e não nos falaria nada? Ele ficou indignado por ela falar de nós daquele jeito e ela perdeu duas casas, a minha e a dele.
    Sem contar que já estávamos descontentes com o trabalho, pois como já vi várias pessoas comentarem por aqui, ela limpou muito bem nas primeiras vezes e agora estava limpando muito mal. Meu apartamento é pequeno, mas mesmo assim, ela não ficava nem uma manhã inteira dentro dele, saía cada vez mais cedo. Eu só a mantinha para não ter que fazer tudo sozinha, mas com esse comportamento e falta de respeito fui obrigada a abrir mão. Agora vou ser mais uma sem empregada…

    Bjos!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s